"Porque hay cosas que nunca se olvidan"

... Curta-metragem espanhola entra para o Guinness como a mais premiada de sempre.


Do realizador Lucas Figueroa, filho de espanhóis mas natural da Argentina, conta uma história de terror e humor que nos últimos dois anos tem viajado pelo circuito dos festivais.

Entrou para o Guinness como a curta-metragem que mais prémios ganhou, ao todo 259 galardões. Um filme de 13 minutos em que o futebol é a razão de um desfilar de humor negro, "O humor negro é o mais universal que há. Esse tem sido o seu gancho em todo o mundo", disse Figueroa sobre o filme.

"Porque hay cosas que nunca se olvidan" ("Porque há coisas que nunca se esquecem", em tradução livre), foi rodado em Segóvia e ambientado na Nápoles de 1950.