quarta-feira, 2 de novembro de 2011

"Harold Edgerton - Fragmentos de Tempo"

Uma exposição de fotografia inédita!



"Harold Edgerton - Fragmentos de Tempo", reúne 58 das imagens mais icónicas conseguidas por este cientista e fotógrafo, pioneiro da fotografia de alta velocidade.

Através da utilização de luz estroboscópica, Edgerton consegue pela primeira vez parar o tempo numa imagem fotográfica, capturando assim imagens fascinantes de sequências de movimento, de outra forma imperceptíveis ao olho humano.


Fosse a sua motivação científica ou artística, vale a pena olhar atentamente para a sua obra. Esta exposição recupera os magníficos instantâneos que Harold Edgerton legou à história da fotografia.

Uma exposição surpreendente que amplia o nosso campo de percepção dando-nos a descobrir a secreta beleza do movimento. Estará patente na Casa Andresen, no Jardim Botânico do Porto (Rua do Campo Alegre, 1191), de 12 de Outubro de 2011 a 8 de Janeiro de 2012, entre Quarta a Domingo das 14h30 às 18h30 com entrada livre.

Harold Edgerton nasceu em 1903 em Freemont, Nebraska. Estudou na Universidade do Nebraska e, posteriormente, no Massachusetts Institute of Technology (MIT), instituição à qual estaria ligado toda a sua vida, como investigador, professor e académico, e onde fez as suas primeiras experiências com estroboscópios. Foi sobretudo o uso da luz estroboscópica na fotografia que o tornou célebre, por lhe ter permitido parar movimentos no tempo e gravá-los em imagens fotográficas, tornando perceptíveis fenómenos que, de outra forma, o olho humano não conseguiria observar. Apesar de ser, antes de tudo, um cientista, grande parte do seu reconhecimento nasce do seu enorme feito artístico: capturar estes fenómenos criando, ao mesmo tempo, imagens de grande beleza. No âmbito da investigação científica, Edgerton foi um pioneiro. Tendo criado e desenvolvido equipamentos electrónicos e fotográficos ao longo de toda a sua vida - registou mais de quarenta patentes - contribuiu para a explicação de fenómenos naturais, como o vôo do beija-flor, registou imagens de experiências científicas - é célebre a fotografia que mostra uma maçã a ser atravessada por uma bala, participou em diversas expedições com Jacques Cousteau e outros exploradores, documentou explosões atómicas e prestou apoio aos Aliados durante a 2.ª Guerra Mundial. A soma destas actividades não resumem a vida de Harold Edgerton. A par da curiosidade científica que sempre procurou saciar, esteve sempre uma preocupação artística e uma busca constante pela perfeição, visíveis por exemplo na notável "Coroa de Gotas de Leite", última de uma série de tentativas feitas ao longo de 25 anos. O seu trabalho demonstra um equilíbrio perfeito entre arte e ciência, que lhe valeu reconhecimento e admiração em ambos os campos. As suas fotografias fazem parte de prestigiadas colecções de arte, como a do Victoria & Albert Museum, e foram publicadas em afamados meios de comunicação social, como a revista Life.

FONTE 
Related Posts with Thumbnails